Métricas de SEO para atração de leads para revendas

Se em uma revenda os funcionários precisam conquistar visitantes, na internet é preciso se preocupar com a atração de leads.

As lojas que apostam em posicionamento digital têm que captar dados de quem chega até o site.

A partir deles, é possível identificar o que fazer para atrair mais pessoas interessadas e, assim, conseguir mais conversões.

Existem várias formas de atrair leads. No texto a seguir, vamos focar nas chamadas métricas de SEO.

Continue a leitura para entender o que são elas, como podem ser usadas em sites automotivos e conhecer os exemplos principais.

Métricas de SEO: o que é isso?

As regras de SEO dizem respeito às práticas que uma empresa para criar aplicativo deve adotar para conseguir relevância nos resultados de busca.

Entre as práticas mais tradicionais nesse segmento, podemos mencionar as seguintes:

  • Produção de conteúdo original;
  • Boa navegabilidade;
  • Boa velocidade de carregamento;
  • Uso de links internos e externos.

No entanto, seguir apenas essas regras não vai garantir que o site da empresa fabricante de mochila escolar, por exemplo, tenha sucesso.

Afinal, é preciso focar em informações que realmente tenham um impacto na experiência de cada visitante. É aí que entram as métricas de SEO.

O ponto central delas é chamar a atenção das pessoas em meio a uma infinidade de ofertas e anúncios, visto que estarão melhor posicionadas, por exemplo.

Além disso, a geração de leads depende dessas estratégias para ser bem sucedida. Acompanhe o desenrolar do texto para entender como usar as métricas de SEO no ramo automotivo.

Como aplicar métricas de SEO no setor automotivo?

Como é de praxe no marketing digital, o uso das métricas de SEO na área automotiva precisa vir atrelada a estratégias de organização.

Diante de tantas métricas e dados passíveis de catalogação e manipulação, é preciso organizar tudo com meticulosidade. Vamos falar mais sobre as métricas ao longo do texto.

Agora, confira maneiras de lidar com as métricas de SEO de forma adequada e ágil.

1. Google Analytics

O serviço gratuito de análise de tráfego e comportamento de usuários do Google é uma das ferramentas principais para fazer bom marketing digital.

Usando o Google Analytics um gestor do serviço de uma assistencia aquecedor harman, por exemplo, pode saber informações muito importantes, como:

  • Número total de visitantes;
  • Origens do tráfego;
  • Desempenho do e-commerce;
  • Engajamento nas redes sociais;
  • Metas alcançadas.

Todas essas e outras informações são apresentadas na forma de relatórios. Os relatórios podem ser diários, semanais ou mensais.

Um dos pilares do marketing digital é o monitoramento constante dos resultados. Essa também é uma realidade palpável no setor automotivo.

2. Planilhas

Outra opção possível é organizar as informações em planilhas, preenchidas manualmente pelos colaboradores do curso de reciclagem de bombeiro civil, por exemplo. O mesmo se aplica aos vendedores e revendedores de automóveis.

Uma desvantagem desse método é que pode aumentar a incidência de erros humanos, além de gerar muitas informações, pesando o sistema.

Já um benefício do sistema é a facilidade nos processos de cálculos e que tanto o Microsoft Excel quanto as Planilhas Google apresentam modelos prontos para a inserção de dados.

Com isso, as planilhas podem ser complementos interessantes para a mensuração das métricas de SEO.

Quanto mais dados você tiver acesso, mais completa vai ser a sua visão sobre a realidade do seu negócio.

3. Tráfego orgânico

Conseguir tráfego orgânico, como em páginas sobre gerenciamento de riscos ocupacionais, por exemplo, é o passaporte para ter sucesso duradouro na internet.

A principal forma de garantir que as pessoas cheguem até o site da sua empresa automotiva é apostar no uso de palavras-chaves.

Procure pesquisar quais são os termos mais pesquisados. Há plataformas específicas para isso, como o Google Keyword Planner.

Quem aplica palavras populares de forma orgânica tem mais chances de aparecer entre os primeiros lugares dos resultados de busca.

Ou seja, o conteúdo do seu site conta muito na hora de atrair leads. Por isso, não negligencie essa parte do negócio.

4. Metas relevantes

Sozinhas, as métricas de SEO dizem muito pouco. Você precisa saber onde quer chegar ao analisá-las.

Escolha metas relevantes e alcançáveis para guiar a atuação da equipe de marketing da empresa.

Ao fazer isso, todas as estratégias irão ganhar mais assertividade. Além disso, os colaboradores vão saber tomar as melhores decisões de acordo com os objetivos pré-determinados.

Sendo assim, se a empresa deseja aumentar o número de visitantes, gerar mais conversões ou potencializar o tempo de navegação, por exemplo, a atuação precisa responder a isso.

O meio virtual é repleto de oportunidades, mas também pode ser muito inconstante. Conheça bem o ambiente em que você está inserido e tenha foco nos pontos mais importantes, conforme os principais objetivos da marca.

Conheça as principais métricas de SEO

Chegou a hora de conhecer mais a fundo os exemplos práticos de métricas de SEO, elementos tão importantes para o marketing digital automotivo.

É importante salientar que as métricas podem ser usadas em qualquer área de atuação, como na venda de um sistema protheus rh, por exemplo, ou na comercialização de utensílios domésticos.

No entanto, aqui iremos focar no contexto das empresas ligadas ao ramo automotivo. Acompanhe os tópicos a seguir.

1. Origem dos leads

Compreender de onde está vindo o tráfego do site é muito importante para identificar oportunidades e novos nichos a explorar.

Usando o já citado Google Analytics, é possível saber a localização da maior parte dos leads.

Posteriormente, é interessante trabalhar no desenvolvimento de campanhas específicas para as regiões que se mostram mais promissoras.

Uma das grandes vantagens do comércio pela internet é a diluição das fronteiras geográficas. Guardadas as devidas proporções, isso também se aplica ao ramo automotivo.

Portanto, procure descobrir de onde vêm a maioria dos visitantes para trabalhar em abordagens personalizadas para eles.

2. Páginas de entrada

Os leads podem acessar as ofertas de um produto específico, como um gradil preço m2 por exemplo, isso por vários canais diferentes, como um anúncio ou em posts específicos.

O gestor que sabe exatamente por onde as pessoas interessadas estão entrando em contato com a concessionária tem mais possibilidades de otimizar as estratégias.

Uma estratégia de marketing digital é sempre passível de ser modificada e melhorada. Dessa mesma forma, se um canal apresenta pouca taxa de conversão, é preciso otimizá-lo.

3. Tipos de vendas

Quando o lead está navegando no site da empresa, o comportamento dele diz muito sobre toda a relação comercial que se estabelece.

A quantia média que um cliente gasta, por exemplo, identifica quais são os perfis mais propensos a serem convertidos em consumidores duradouros.

As características das vendas mensais e anuais também devem ser usadas para determinar o faturamento da empresa de forma mais personalizada.

Por sua vez, a taxa de conversão de leads indica a porcentagem de usuários convertidos em relação ao número total de visitas.

Esses aspectos têm que ser levados em conta para manter um e-commerce próspero e de alta qualidade.

Principalmente quando o assunto é trabalhar em atendimento personalizado para clientes de longa data.

Saber tratar esses perfis de forma diferenciada garante que a relação continue frutífera por muito tempo.

4. Autoridade do domínio e da página

A autoridade do domínio é determinada ao reunir o número de visitas, a qualidade dos backlinks e o tempo de permanência na página, entre outros aspectos.

Já a autoridade da página é mais focada na relevância de uma aba específica.

Em ambos casos, é importante se comparar com as empresas concorrentes para, assim, medir a qualidade do desempenho.

5. Taxa de rejeição

O número de pessoas que clicou no anúncio, seja de uma revenda de veículos, de uma empresa de marketing digital ou até mesmo de um portão de alumínio duas folhas e não fizeram nenhuma ação também precisa ser monitorado sempre.

Tome o cuidado de não olhar para essa métrica de forma descontextualizada. Uma taxa de rejeição alta pode ser causada por vários motivos, tais como:

  • Falhas na usabilidade do site;
  • Informações pouco claras;
  • Falta de responsividade;
  • Tempo de carregamento muito alto.

Para remediar essa métrica negativa, estude o que pode ser melhorado no seu site. Avalie se os carros anunciados têm descrições completas ou se as informações de contato da empresa estão claras.

Em resumo, a rejeição é um sinal de que o domínio não está atendendo às necessidades dos leads.

6. Usuários recorrentes

Os usuários que acessam o site mais de uma vez indicam um processo de fidelização em curso.

Afinal, quando a página de uma concessionária está sendo visitada pelos mesmos perfis de forma recorrente, é sinal de que o interesse deles está sendo mantido ao longo do tempo.

É interessante fazer comparações entre essa parcela da audiência e o total de visitantes. Assim, é possível averiguar o nível de popularidade e fidelização do negócio na internet.

O Google Analytics possui uma aba específica para essa métrica, chamada “Audience Overview” (em português, “Visão geral do público-alvo”).

Considerações finais

Agora que você tem conhecimento pleno das métricas de SEO, tem as ferramentas necessárias para aprimorar a atuação na web.

O ramo automotivo tem muito a ver com o sentimento de diferenciação que o produto (no caso, os carros) confere aos clientes.

Pense nesse signo distintivo do produto que você vende e transfira esses valores para o atendimento.

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Business Connection, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Artigos que você pode gostar:

Dicas para publicação nas redes sociais da revenda de veículos.
Para que serve um contrato de compra e venda de veículos e qual o melhor modelo?